quarta-feira, 23 de Junho de 2010

Fotografia de São Tomé no São João da Galeria JUP


Num mundo actual, cada vez mais pequeno e uniforme e após 15 anos de viagens, poucos são os locais capazes de realmente surpreender e encantar. S. Tomé e Príncipe mantém presente uma chama de inocência e esperança que se reflecte na sua população e parece querer iluminar o futuro. A pobreza económica, contrasta com a nossa e torna fácil compreender a vontade de emigrar à procura do mundo onde não faltem escolas, hospitais em funcionamento, estradas, luz eléctrica, transportes, saneamento, água canalizada...
O isolamento forçou o desenvolvimento de uma cultura forte, autónoma, onde se mistura a Europa com a África num país ainda verde e com uma profunda e antiga relação com a floresta e com o mar, onde a produção de cacau e café continuam a ser a única exportação do país. Tem no entanto, no seu povo, a sua maior riqueza.

Carlos Miguel A. F. Bartilotti de Matos, nascido em Fevereiro de 1976, Licenciado em Medicina em 2000 pela Universidade do Porto. Começou a viajar e tirar fotografias há cerca de 15 anos.
Apresenta a sua terceira exposição fotográfica, a primeira dedicada a S. Tomé e Príncipe.

terça-feira, 25 de Maio de 2010

sexta-feira, 5 de Março de 2010

Lançamento: Salão Coboi

Amanhã, a partir das 16h, a planapress.org lança o livro Salao Coboi no espaço JUP. Apareçam para mais uma tarde de inaugurações em MIguel Bombarda!

O JUP de Março já anda aí!

terça-feira, 23 de Fevereiro de 2010

O JUP está no Fantasporto

Fotografia de Pedro Ferreira

O JUP e o Rascunho uniram-se para cobrir o Fantasporto 2010, à semelhança do que aconteceu no ano passado. Visita o blog para acompanhares a 30ª edição deste Festival Internacional que move a cidade do Porto.

terça-feira, 2 de Fevereiro de 2010

10 Tácticas e o Jornalismo como motor de Consciência Colectiva

Falou-se de acção, informação e liberdade na tarde de 23 de Janeiro no Núcleo de Jornalismo Académico do Porto (NJAP) que convidou investigadores, designers, activistas, a comunidade estudantil e outros curiosos, a reflectir sobre o papel do jornalismo e da informação na criação de impacto e de mudanças positivas.

O lançamento global do documentário 10 Tactics proporcionou um programa alternativo no dia em que na Miguel Bombarda se celebrava mais uma tarde de inauguração simultânea de exposições, diversas intervenções artísticas, novas colecções nas lojas, moda e design e animações de rua, trazendo centenas de visitantes à sede do NJAP.

O anfitrião é uma entidade sem fins lucrativos que publica há 22 anos o JUP - o órgão de comunicação estudantil impresso mais antigo do país. Como plataforma informativa, o JUP demarca-se pela sua independência e carácter experimental, envolvendo dezenas de jovens universitários da cidade do Porto que colaboram voluntariamente e assim ganham experiência em todo o processo de produção jornalística.

A projecção do filme 10 Tactics surgiu com motor de reflexão sobre o poder da informação na disseminação de temas muitas vezes polémicos e sensíveis que o jornalismo convencional tem tendência a ignorar. Celebrando-se em 2010 o Ano Europeu da luta contra a Pobreza e a Exclusão Social, ao qual o JUP e o NJAP não estão indiferentes, considerou-se que as 10 Tácticas propostas poderiam inspirar e alertar para a relevância do papel daqueles que ao trabalharem e partilharem informação com o mundo estão a proporcionar espaços de consciência colectiva sobre a cidadania, a sociedade e o mundo.

Depois da visualização do filme onde foi possível conhecer alguns exemplos daquilo que activistas de direitos humanos estão a fazer no mundo digital para marcar a diferença, a primeira reacção na assistência foi o reconhecimento de que existem riscos no info-activismo. A insegurança é consequência do facto dos assuntos discutidos serem desconfortáveis para muitos indivíduos com poder, governos ou grandes organizações. O termo anglófono usado para descrever o trabalho dos info-activistas é "advocacy", nem sempre fácil de traduzir na língua portuguesa, mas que neste contexto se assemelha a algo como a prossecução da luta por uma causa, a defesa dos direitos humanos. Já o conceito de info-activismo resulta, por um lado, da disseminação da informação nessa luta ou compromisso, e, por outro lado, das estratégias adoptadas para fomentar acção, reacção, efeitos. Pela defesa de uma causa.

Ana Rêgo, médica e activista que tem trabalhado em missões humanitárias em países como o Afeganistão, Sudão, Etiópia, Zimbabwe e Timor Leste, relatou a sua experiência no terreno, chamando a atenção para a habitual escassez de infra-estruturas em áreas isoladas onde muitas vezes os direitos humanos não são respeitados, o que dificulta o acesso às plataformas digitais para a denúncia. Acrescentou ainda que quando esse obstáculo é ultrapassado e surgem os canais de comunicação, o passo seguinte é "sobreviver" à denúncia, e terminou dando exemplos de colaboradores de ONGs que perderam os seus empregos por se recusarem a calar as injustiças que presenciaram nas suas missões.

A ideia de que é dever do activista falar sobre temas chave para não os deixar cair no esquecimento foi frisada por Roberto, membro do Centro de Média Independente – colectivo Indy Media Portugal. Com um cunho pessoal, o testemunho de Roberto não descurou a pertinência das questões em redor da segurança e do anonimato e questionou os processos de censura e de captura de activistas que trabalham a partir de cybercafés ou outros espaços proprietários. Se por vezes as pessoas erradas são acusadas, o activista deve compreender a responsabilidade implícita nas suas acções.

Transportando o anonimato para a importância da transparência e participação democrática, Ricardo referiu a plataforma They Work for You. Trata-se de um projecto mySociety que pretende criar pontes entre os cidadãos do Reino Unido e as discussões que tomam lugar no parlamento, disponibilizando o acompanhamento das posições assumidas pelos deputados ao longo do tempo. Foi lançada a questão: o que mais precisa de ser feito em Portugal para lançar projectos neste âmbito?

Ainda antes da projecção do documentário, o Ricardo, juntamente com a Ana Carvalho, ofereceram uma Oficina sobre Design para uma Redacção Livre no JUP. Falaram sobre a "introdução de ferramentas livres para realizar vários tipos de trabalhos relacionados com a esfera editorial e a prática associativa". Fazem parte de um colectivo pela cultura livre chamado Hacklaviva e em parceria com o JUP estão a montar uma sala de redacção inovadora na nossa sede, para possibilitar a realização de todo o trabalho editorial usando apenas software livre - desde o tratamento de fotografia, à criação de gráficos e tipografia, paginação, edição de áudio e montagem de vídeo com ferramentas livres. Esse workshop representou um contributo valioso no que diz respeito à utilização e adopção de tecnologias e ferramentas para o info-activismo que o filme apresenta.

Tivemos também a participação de Tiago Assis, professor e investigador nas Belas Artes da Universidade do Porto e impulsionador do projecto Identidades. Tiago falou de um projecto de formação vídeo com comunidades do Brasil, nomeadamente os Quilombolas que adoptaram esta nova ferramenta como arma e moeda de troca numa zona do país onde existem grandes conflitos de terra e propriedade.

No final do debate os visitantes tiveram ainda oportunidade de visitar a galeria onde foi inaugurada uma instalação multimédia de Rebecca Moradilazeh composta por "(...) filmagens feitas por várias pessoas contendo múltiplas personagens e situações ou locais por onde tivesse passado e onde estaria".

Terminada uma tarde de inspiração no “bunker” de ideias do JUP - citando alguém da assistência que assim descreveu o evento - foram distribuídos guias e tutoriais da Tactical Technology Collective a alguns visitantes e semeada a grande vontade de continuar a informar sobre temas que realmente interessam e repensar estratégias futuras para chegar a mais audiências.

Leituras relacionadas: A day of info-activism discussion in Porto



Fotos de Pedro Ferreira

terça-feira, 19 de Janeiro de 2010

Galeria | Oficina | Info-Activismo - uma tarde em cheio nas Inaugurações de Miguel Bombarda

No próximo dia 23 de Janeiro pelas 14h o Núcleo de Jornalismo Académico do Porto abre as portas para uma tarde em cheio nas inaugurações simultâneas das galerias de Miguel Bombarda.

Aderimos ao Ano Europeu da luta contra a Pobreza e a Exclusão Social que se celebra em 2010 com um convite à reflexão sobre o papel do jornalismo e da informação na criação de impacto e de mudanças positivas. O lançamento global, em parceria com a ONG internacional Tactical Technology Collective, do documentário 10 Tactics pretende apresentar uma série de activistas de direitos humanos que adoptaram estratégias de comunicação que lhes permitem transformar informação em acção. Convidamos para uma discussão informal o Centro de Média Independente - Indy Media Portugal - e o Hacklaviva e alargamos o convite a todos os que queiram participar.

O documentário será precedido pela Oficina de Design para uma Redacção Livre onde o colectivo Hacklaviva desafia uma sala de redacção a funcionar apenas com software livre.
Com equipa renovada, a Galeria apresentará duas instalações de jovens artistas e designers do Porto.

Ficamos a aguardar a tua visita!
Segue o programa completo abaixo.


14.00 Inauguração das Galerias Jup

Sala 1 - O que te move | Uma instalação que também é uma proposta para ti. Um espaço de Liberdade num cheio de cartão, uma folha em branco, pronta a ser ocupada. | Por Ana Castro e Susana Lage

Sala2 - Três Projectos, um Espaço. | "Tanto o som como a imagem dão uma resposta a outra mão. Uma que fala e outra que responde"

"(...) filmagens feitas por várias pessoas contendo múltiplas personagens e situações ou locais por onde tivesse passado e onde estaria"

"(...) em cada garrafa guardo a minha voz, associando cada uma delas as notas de escala"

Por Rebecca Moradalizeh


14.30 - 17.30 Oficina de Design para uma Redacção Livre

Uma redacção a funcionar apenas com software livre? É o objectivo de uma colaboração entre o JUP e o Hacklaviva. Nesta oficina, vamos falar sobre o que é o software livre e as suas implicações na prática criativa, associativa e editorial. Depois veremos como hoje é possível tratar fotografia, criar gráficos e tipografia, paginar, editar áudio e montar vídeo com ferramentas livres. Traz o teu portátil e vem passar uma tarde connosco a descobrir novas formas de fazer o teu trabalho.

http://www.hacklaviva.net


18.00 Documentário & Debate

"10 tactics", 10 tácticas para transformar informação em acção é um filme onde são contadas histórias de 25 activistas de direitos humanos à volta do mundo que adoptaram com sucesso estratégias de comunicação e tecnologias digitais para criar impacto e mudanças positivas.

http://www.informationactivism.org | Com a presença dos colectivos Hacklaviva e Centro de Média Independente - Indy Media Portugal


23 de Janeiro de 2010 a partir das 14h

Núcleo de Jornalismo Académico do Porto | JUP.PT

espacosjup.blogspot.com | jup@jup.pt | 22 202 52 68

Estamos no Facebook | Twitter: @njapju | @juponline | Linked In

segunda-feira, 7 de Dezembro de 2009

CONCURSO DE IDEIAS, programação GALERIA JUP


Entre 8 e 21 de Dezembro, o Núcleo de Jornalismo Académico do Porto (NJAP) lança um concurso de ideias para a programação da Galeria JUP, situada no centro artístico do Porto, na Rua Miguel Bombarda.

Objectivo: Desafiamos artistas, designers e arquitectos emergentes, individualmente ou em colectivo, a apresentar propostas de exposição para a nossa galeria. Privilegiam-se propostas que reflictam sobre o contemporâneo, a academia, o Porto e o Ensino, sendo contudo uma convocatória aberta. Privilegia-se a capacidade de auto-produção e organização.

O NJAP é uma associação juvenil sem fins lucrativos, de utilidade pública, concebida e gerida exclusivamente por estudantes universitários, e apresenta-se como um espaço de debate e de confronto de ideias.

Da proposta deverão constar os seguintes pontos:

. Título da exposição
. Sinopse
. Datas preferenciais
. Mini CV do candidato com imagens

Serão valorizados os projectos que:
. demonstrem qualidade artística
. assegurem autonomia na execução
. provenham do meio académico

Envia a tua ideia para jup@jup.pt até ao dia 21 de Dezembro.

Os seleccionados serão apoiados com a cedência de espaço e com o apoio à divulgação pelos canais universitários. As propostas serão revistas por um painel de artistas e especialistas e comunicadas até ao final de 2009. Reserva-se o direito de não selecção caso a qualidade o obrigue. A decisão é passível de contestação.

Todos os participantes serão avisados dos resultados por email na primeira semana de Janeiro. O resultado do concurso será publicado no blog dos Espaços JUP juntamente com o agendamento para 2010.
--
JUP, Núcleo de Jornalismo Académico do Porto Rua Miguel Bombarda, 187 4050 - 381 Porto
222 025 268
jup.pt | jup@jup.pt | espacosjup.blogspot.com

domingo, 8 de Novembro de 2009

No JPN: UP: Reitoria visita o JUP e promete mais apoio

UP: Reitoria visita o JUP e promete mais apoio

A reitoria da Universidade do Porto foi até ao edifício do Jornal Universitário do Porto, em Miguel Bombarda, avaliar as condições de degradação do espaço. O projecto, sob nova direcção, procura, agora, novo rumo.

quinta-feira, 5 de Novembro de 2009

Galeria JUP: Mirror in the wall


A exposição fotográfica traduz a percepção do espaço com um carácter ecologista, contaminado por ressonâncias da constatação da própria natureza humana e das suas prioridades.

As fotografias fizeram parte da instalação realizada no Museu do Carro Eléctrico do Porto e a remoção da fase visual original restitui-lhes por inteiro o valor de fotografia enquanto individualização – a unicidade que cada imagem deve ser capaz de suportar.

A atitude artística e a postura criativa do fotógrafo promovem um ensaio fotográfico em que é nuclear a reflexão sobre a natureza humana e a sua relação com o tempo, com os princípios de organização e atitudes sociais, e com o planeta (vivo, mas cada vez menos).

As imagens resultam como elementos residuais do processo de interacção do autor com o mundo por meio do olhar fotográfico. A práxis da criação constitui elemento fundamental quando, numa inversão de sentido, a aquisição do mundo funciona como reflexão introspectiva sobre o próprio artista. A natureza etérea das imagens certifica a existência física do seu criador. Ou serão as pessoas também apenas um conceito?

BIO | Nelson Sousa

O seu percurso académico é realizado na área das Ciências Naturais, com especializações em Biologia e Microbiologia, e concluído com uma licenciatura em Publicidade.

Fotógrafo autodidacta quase que na totalidade, começou a fotografar em 1994 e utiliza a fotografia como ferramenta prioritária de expressão desde 1998. Durante alguns anos deu formação didáctica e profissionalizante.

segunda-feira, 12 de Outubro de 2009

Cinema Documental e Debate nos Espaços JUP - Comércio Justo

Porque a cultura pode ser uma ferramenta poderosa de comunicação para o desenvolvimento – e o cinema documental é um olhar directo sobre as realidades que queremos trazer até ao Porto, a Agência ODM e o Núcleo de Jornalismo Académico do Porto convidam a assistir a este documentário e a participar no debate:

Agrovidas, de Luís Nascimento | 18’ Brasil 2007

14 Out. | 18h | Jornal Universitário do Porto

“As dificuldades sentidas pelos produtores, a realidade de uma associação e um cheirinho das laranjas da Baía” – um pouco de tudo isto nos traz este pequeno documentário. Os fruticultores da CEALNOR, na região brasileira da Baía, têm consciência do preço do seu produto. Sabem quanto custa no mercado e por quanto está a ser comercializado e evitam que os intermediários interfiram neste processo. Exportam os produtos pelo circuito de comércio justo, que lhes garante ainda preços mais elevados. Este documentário foi produzido para o projecto de educação para o desenvolvimento Anauá – a Outra Margem do Comércio Justo.”

Programa Completo aqui.