segunda-feira, 30 de Abril de 2007

quinta-feira, 19 de Abril de 2007

"Olhando os anos da Guerra Colonial"


Dia 24 de Abril a partir das 21:30h


- Apresentação do documentário "Por Deus e pela Pátria - Olhando os homens e as crianças" de César Mexia de Almeida
- Debate com César Mexia de Almeida e António Viana, moderado por Luísa Marinho

Depois música e copos pela noite dentro
Aparece!

sexta-feira, 13 de Abril de 2007

JUP de Abril já está nas faculdades

Editorial
A preguiça

As artes, esse bico de papagaio nas costas do mercado de trabalho. As perpectivas de futuro para escultores, músicos e actores sempre estiveram cobertas por uma neblina que apaixona adolescentes e aterroriza os respectivos pais. A cultura nunca foi fácil de encaixar no sistema, não rima com lucro nem condiz com as 8h de trabalho diárias. O destaque deste mês incide nesta problemática. Segundo Athaide, professor na FBAUP, "sem optimismo, não se faz nada". Não sei se a questão se resolve só com optimismo, o que é certo é que não passa por mais financiamentos. É simplesmente arrepiante, depois de no mês passado termos sido bombardeados com ataques à "pandilha de Rui Rio" pelos habitantes dos bairros sociais, descobrirmos agora que as gerações passam mas os discursos não mudam. "Muitas vezes a iniciativa tem de partir dos estudantes", critica um estudante de design. Este sim é um embróglio que parece não ter fim. Continuamos a sofrer da genética preguiça latina, que recorre à cobardia para deixar tudo exactamente como estava. Não foi assim que as mulheres se emanciparam (pág. 6) nem os jornais universitários americanos conseguiram a projecção de hoje (pág. 14). Só com uma profunda alteração de mentalidade poderão os novos artistas portugueses, e tantos outros grandes portugueses, melhorar as suas perspectivas. Há outra particularidade que torna a produção cultural especial. A Arte não lida bem com o grande público, e esse divórcio vai contra a noção de mercado. O elitismo e a constante necessidade de fuga do mainstream não são conciliáveis com o sistema estabelecido. Quantas vezes não ouvimos "preferia os primeiros albuns" ou "antes de se vender é que era".

quarta-feira, 4 de Abril de 2007